Reunião com secretário define estratégias e propõe reestruturação da Polícia Civil Destaque

Uma reunião com o secretário executivo da Polícia Civil, Youssef Abou Chahin, na tarde da última sexta-feira, na capital paulista, deu o pontapé inicial para um período de possíveis mudanças e atendimento a antigos anseios da categoria. O encontro aconteceu na Secretaria de Segurança Pública e contou com a presença de representantes de entidades ligadas a federação. O grupo aproveitou a ocasião para destacar os principais pontos que afligem os trabalhadores.

O Sinpolsan foi representado pelo presidente Marcio Pino e pelos diretores Iran César e Renato Martins, que deu sugestões para modernizar e otimizar o trabalho policial, resgatando o objetivo da sua atividade.

Entre os itens da pauta estiveram, mais uma vez, a questão da defasagem salarial e de pessoal e a falta de condições profissionais para que os agentes possam exercer plenamente as suas funções. Sem poder de compra, os agentes seguem lutando pela valorização. Com poucos funcionários para suprir a demanda e delegacias sucateadas, os companheiros buscam reestruturação para evitar o avanço, ainda maior, da criminalidade.

Apesar de ter sido a primeira conversa após a mudança de governo, os líderes sindicais voltaram para as suas bases com compromissos firmados e ações encaminhadas. Uma delas é a equiparação do valor de ajuda de custo para alimentação entre Civis e Militares. Atualmente, há uma significativa disparidade entre a quantia paga para as entidades, mesmo ambas sendo co-irmãs, causando constrangimento entre os policiais. Isso sem contar a injustiça.

O Sinpolsan chegou a pedir um estudo de impacto orçamentário desse pleito mostrando que o valor ínfimo não prejudicaria, em nada, as contas do estado. No entanto, valorizaria muito toda a categoria. Ofício apresentado pelo Sindicato aponta a solicitação para que seja alterado o decreto que concede o referido benefício aos policiais civis. A intenção é que o valor pago seja fixado pelo Decreto 59.609, de outubro de 2013, assim como acontece com a PM.

“Outro ponto que nos deixou otimista foi o compromisso dele de que, caso as entidades, que representam os policiais civis, cheguem a um consenso, ele será uma das pessoas que irá nos acolher, além de ser um dos aliados para que seja realizada uma reestruturação, uma lei orgânica que valorize e modernize a nossa polícia. Se tivermos uma proposta interessante, Youssef está pronto para encaminhá-la”, disse Pino, que saiu satisfeito da reunião e com mudanças previstas também para a Baixada Santista.

De acordo com o presidente do Sinpolsan, foi solicitado o fechamento, no período noturno, do 3º DP de São Vicente e do 5º de Santos. “Deixá-los abertos sem as mínimas condições, apenas coloca em risco a vida dos policiais que ali trabalham. Também pedimos para que as entidades de classe aproveitem o momento para se unir e lutar pelos assuntos convergentes, esquecendo as divergências. Estamos em um momento oportuno para angariar e diminuir o atraso da nossa instituição”, completou Marcio Pino.